Como estudar Análise Sintática? Veja AQUI!

Acertar questões de análise sintática em provas de concurso não é simples. Isso porque se trata de um tema bastante amplo e com pré-requisitos, ou seja, para saber que uma oração é adjetiva, é preciso antes conhecer o papel do adjetivo como classe gramatical. O foco do nosso artigo de hoje é lhe dar algumas dicas, baseando-se em questões de concursos, para se dar bem nas questões que cobrem esse conhecimento.

Análise de Questões

Começaremos com uma questão do CESPE em uma prova aplicada este ano para a SEDF:

 

A respeito dos sentidos e dos aspectos linguísticos do texto anteriormente apresentado, julgue o próximo item.

Na linha 9, o pronome “nos”, na oração em que ocorre, exerce a função de complemento direto da forma verbal “perguntamos”.

 

Trata-se de uma questão no estilo certo ou errado e o texto utilizado segue abaixo. Tomamos a liberdade de sublinhar o trecho em questão a fim de facilitar sua busca.

 

As duas questões mais profundas sobre a mente são: “O que possibilita a inteligência?” e “O que possibilita a consciência?”. Com o advento da ciência cognitiva, a inteligência tornou-se inteligível. Talvez não seja tão chocante afirmar que, em um nível de análise muito abstrato, o problema foi resolvido. Entretanto, a consciência ou a sensibilidade, a sensação nua e crua da dor de dente, do rubor, do salgado, continua sendo um enigma embrulhado em um mistério dentro do impenetrável. Quando nos perguntamos o que é a consciência, não temos melhor resposta que a de Louis Armstrong quando uma repórter perguntou-lhe o que era o jazz : “Moça, se você precisa perguntar, nunca saberá”.

Steven Pinker. Como a mente funciona. 2.ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2002 (com adaptações).

análise sintática para concursos

Dicas para Acertar no dia da prova

Nossa primeira dica para você é que estude a teoria. Esse é um tema que apenas fazer exercícios não vai suprir a lacuna de conhecimento que você tenha. Não é preciso se tornar um especialista, mas é necessário que você saiba o que é um sujeito, um objeto direto, um complemento nominal e assim por diante. Os detalhes você pode conhecer depois, aos poucos, mas é preciso saber o básico.

Essa questão, por exemplo, você resolve sabendo apenas o básico. Bastaria saber que, para localizar o sujeito, pergunta-se “o quê?” ou “quem?” antes do verbo. E para localizar o objeto, pode-se fazer as mesmas perguntas, mas após o verbo. Dessa forma, fica claro que “nos” não é complemento do verbo e sim o seu sujeito. Esse é um macete que poucos cursos preparatórios ensinam hoje em dia.

 

Essa banca trabalha com muitas questões que cobram os aspectos básicos da análise sintática e você pode ser bem-sucedido se dominá-los.

Agora abordaremos o mesmo tópico, mas usando outra banca, a ESAF. Trata-se uma questão da prova para a ANAC, ocorrida em 2016:

 

Assinale a opção que apresenta explicação correta para a inserção de “que é” antes do segmento grifado no texto.

 

      A Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República divulgou recentemente a pesquisa O Brasil que voa – Perfil dos Passageiros, Aeroportos e Rotas do Brasil, o mais completo levantamento sobre transporte aéreo de passageiros do País. Mais de 150 mil passageiros, ouvidos durante 2014 nos 65 aeroportos responsáveis por 98% da movimentação aérea do País, revelaram um perfil inédito do setor.

<http://www.anac.gov.br/Noticia.aspx?ttCD_CHAVE=1957&slCD_ ORIGEM=29>. Acesso em: 13/12/2015 (com adaptações).

 

  1. a) Prejudica a correção gramatical do período, pois provoca truncamento sintático.
  2. b) Transforma o aposto em oração subordinada adjetiva explicativa.
  3. c) Altera a oração subordinada explicativa para oração restritiva.
  4. d) Transforma o segmento grifado em oração principal do período.
  5. e) Corrige erro de estrutura sintática inserido no período.

 

Verifique que a questão cobra um conhecimento mais abrangente. Aqui, você precisa, por exemplo, saber dividir o período em orações e distinguir as orações adjetivas explicativas de adjetivas restritivas. Dessa forma, em comparação à questão do CESPE que abordamos acima, essa é mais complexa.

Saiba mais em: http://cursosparaconcurso.net/

Conclusão

Nossa dica é que você não se deixe intimidar por não conhecer o vocabulário. É o que poderia ocorrer com as letras A e E, por exemplo. Um truncamento sintático nada mais é do que algo que esteja faltando ou sobrando dentro da frase. Não é o caso da nossa questão, pois o trecho está claro. De igual modo, a estrutura sintática do texto original também está correta.

Se você conhece a diferença entre as orações restritivas e explicativas, sabe que o sentido se altera com a retirada das vírgulas. Portanto, já pode também eliminar a letra C. Com facilidade, você também identifica a oração principal, o que elimina a letra D e transforma a B na nossa resposta. Afinal, o segmento grifado é um aposto que oferece mais explicações sobre o que é a pesquisa “O Brasil que voa”. Ao se acrescentar o “que é”, o aposto passa a fazer o papel de oração adjetiva.

Nossa maior dica é que você busque sempre as provas anteriores. Só assim saberá o quanto precisará aprender: conhecendo as predileções da banca ou seja, o modo como ela aborda determinado tema e quais tópicos está sempre cobrando nas provas.

Por fim, deixo a você a indicação do vídeo abaixo com mais detalhes sobre o assunto:

 

Até o próximo post!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *